DRC Turismo - Viaje com quem gosta de viajar!

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Rumo a Buenos Aires no Empress, da Pullmantur (CVC Imperatriz)

Publicado em 02/2011 (Daniel R.Carneiro, Cruising online)

Embarcamos, na temporada 2009/2010, em um cruzeiro de 7 noites no Empress (CVC Imperatriz) rumo a Buenos Aires. Conheça um dos mais luxuosos e aconchegantes navios da frota da CVC, que está de volta neste verão!
Empress / CVC Imperatriz (foto D.R.Carneiro, Aviation&Cruising online)
Embarcamos rumo a Buenos Aires no mais charmoso entre os navios da frota da CVC/Pullmantur. O Empress (ou CVC Imperatriz) agrada por sua estabilidade e pelo conforto e beleza de seus ambientes, nada devendo a muitos dos navios recém-lançados.

CentrumCentrumCentrum
CentrumCentrumCentrum
CentrumCentrumCentrum
Empress no Rio de Janeiro (fotos 1 a 6), em Punta del Este (foto 7), navegando rumo a Itajaí (foto 8) e ainda na Royal Caribbean como Empress of the Seas, em Port Everglades (foto 9). Fotos de Daniel R.Carneiro, Aviation&Cruising online. 


Construído no final dos anos 80 pelo estaleiro Chantiers de l'Atlantique (o mesmo de onde saíram embarcações legendárias como o SS France/Norway e o Queen Mary 2), o Nordic Empress foi lançado ao mar em 25 de agosto de 1989, estreando em serviço em 25 de junho de 1990. Sua construção havia sido encomendada pela Admiral Cruise Lines (onde o navio seria batizado como Future Seas), absorvida, em 1987, pela Royal Caribbean International.
Em 2004, o Nordic Empress passou por uma grande reforma e foi rebatizado segundo os padrões da Royal Caribbean, passando a chamar-se Empress of the Seas. Em seus 18 anos de operações na Royal Caribbean, operava, basicamente, cruzeiros para as Bahamas, partindo de Miami, Port Everglades ou New York. Em 2008, após a incorporação da espanhola Pullmantur Cruceros ao grupo Royal Caribbean, o navio foi transferido a sua atual operadora (onde estreou em março do mesmo ano), que por sua vez freta suas embarcações à brasileira CVC durante o verão no hemisfério sul.

Pouca gente sabe que em 2000, quando a Royal Caribbean fez sua estreia no Brasil, o navio inicialmente escalado para fazer cruzeiros em nossa costa seria o Nordic Empress. Mas uma ambiciosa jogada de marketing da cruise line acabou fazendo com que, em vez dele, fosse enviado para a América do Sul um navio maior, o Splendour of the Seas. Somente oito anos mais tarde, já sob as bandeiras da CVC e da Pullmantur Cruceros, é que o Empress estreou no Brasil, com cruzeiros partindo do Rio de Janeiro para Salvador. Na temporada 2009/2010, a CVC, em uma decisão acertada - designando o navio certo para o roteiro certo -, decidiu escalá-lo para os roteiros rumo ao Sul - visitando Itajaí, Buenos Aires e Punta del Este.

Ao embarcar no Empress, o hóspede se surpreenderá com o Centrum - um majestoso átrio com iluminação natural e elevadores panorâmicos com visão para vários dos nove decks de passageiros do navio. O Centrum é uma das principais características dos navios construídos para Royal Caribbean desde a classe Sovereign (nos navios trazidos pela CVC, ele também está presente no Sovereign / CVC Soberano). No primeiro piso do Centrum estão localizados a recepção e o escritório de excursões do navio (onde o hóspede poderá agendar as excursões em terra antes de cada escala da viagem). Também na área do Centrum, nos decks superiores, estão a biblioteca, a galeria de arte e o internet café. Aproveite para fazer um reconhecimento do navio, antes de iniciar sua viagem, subindo em um dos elevadores panorâmicos até o deck da piscina e percorrendo, depois, cada um dos decks inferiores onde há áreas públicas (bares, restaurantes, lojas, etc). Conhecer cada ambiente do navio é fundamental para quem deseja aproveitar ao máximo a viagem!

CentrumCentrumCentrum
CentrumCentrumCentrum
RecepçãoCentrumCentrum
O Centrum, um dos ambientes mais bonitos do navio, com seus elevadores panorâmicos. Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Embarcamos no Empress rumo a Buenos Aires, Punta del Este e Itajaí pouco antes do Carnaval de 2010 e ficamos muito bem impressionados com o navio - em nossa opinião o melhor já trazido pela CVC desde o pequeno e luxuoso Blue Dream, que até hoje deixa saudades. De tamanho médio (48.500 toneladas e 208 metros de comprimento), e capacidade para pouco mais de 1.800 passageiros, dispõe das mesmas opções de entretenimento dos grandes "mega-resorts flutuantes", com a vantagem de ser confortável e aconchegante como um navio de menor porte.


Restaurantes

Para as refeições (são cinco por dia), há duas opções principais : o Buffet Panorama, restaurante self-service localizado no deck 10 (nível da piscina), e o luxuoso Restaurante Miramar, no deck 4 - um luxuoso ambiente com dois andares, localizado na popa do navio e ampla área envidraçada com visão panorâmica. Os dois restaurantes servem o café da manhã (de 6h às 11:30h no Buffet Panorama e de 8h às 9:30h no Miramar) e o jantar (o jantar no Miramar, com lugar marcado de acordo com o número da cabine, é dividido em dois turnos, o primeiro às 19:45h e o segundo às 22h; já o Buffet Panorama fica aberto das 19:30h às 23h). O almoço, self-service, é servido sempre no Buffet Panorama, das 12:30h às 16:30h, que oferece também pizzas e massas das 11:30h até às 18:30h e um chá da tarde das 16:30h às 17:30h. Para os que gostam de se divertir até altas horas, há ainda uma ceia da madrugada - também no Buffet Panorama - de 1h até as 5h da manhã.

Uma boa opção para quem curte os pratos exóticos da culinária oriental e deseja jantar em um espaço mais reservado, a pedida é o Wú Restaurant Fusion, no deck 5, que funciona das 20h às 23h. Ao contrário dos outros dois restaurantes, o Wú não faz parte do sistema "tudo incluído" (por se tratar de um espaço exclusivo, há um custo adicional) e devem ser feitas reservas com antecedência.

Restaurante MiramarRestaurante MiramarRestaurante Miramar
Restaurante MiramarRestaurante MiramarRestaurante Miramar
Restaurante Buffet PanoramaRestaurante Buffet PanoramaRestaurante Buffet Panorama
Restaurante WuRestaurante WuRestaurante Wu
Restaurante Miramar (fotos 1 a 6), Buffet Panorama (fotos 7 a 9) e o oriental Wú Restaurant Fusion (fotos 10 a 12). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Bares

Além dos três restaurantes, o Empress conta com diversos bares - onde começa a agitação noturna -, com destaque para o El Embarcadero (versão latina do Schooner Bar, presente em todos os navios da Royal Caribbean, incluindo o próprio Empress quando ainda com sua antiga proprietária), situado no deck 5. Há ainda o café San Marcos (no mesmo deck), próximo ao cassino, e o bar do salão Rendez-Vous - um espaço para dança, festas e apresentações de música ao vivo localizado no deck 6, na parte posterior do navio. Durante o dia, a agitação gira em torno da piscina, e, junto a esta, no deck 10, encontra-se o Bar Marina, principal point para quem curte uma cervejinha. É bom lembrar que embora os navios operados pela CVC ofereçam o sistema "tudo incluído", algumas bebidas e drinks importados não estão incluídos no sistema, sendo pagos à parte. Água, refrigerantes, cerveja e a maioria dos dos aperitivos nacionais são gratuitos (na maioria dos navios que navegam pela costa brasileira, as bebidas só estão inclusas nos restaurantes e no horário das principais refeições - café, almoço e jantar).

Piano Bar El Embarcadero (fotos 1 a 3), Café San Marcos (fotos 4 e 5) e o Salão Rendez-Vous (fotos 6 a 9). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

O que fazer à noite

À noite, são muitas as opções de diversão, começando pelos espetáculos no teatro Broadway (realizados em dois turnos, como o jantar no restaurante Miramar), que incluem musicais com a orquestra Sobre as Ondas e a companhia de dança Bailamares e shows de variedades. Para quem quiser tentar a sorte no jogo, há o cassino Monte Carlo - aberto , nos decks 5 e 6, com grande variedade de máquinas caça-níqueis, roletas e mesas de poker. Os jovens também têm seu espaço na balada noturna: um dos ambientes mais procurados é a discoteca Starlight, aberta a partir das 23:30h.

Teatro Broadway (fotos 1 a 3), Discoteca Starlight (fotos 4 a 6), Cassino (fotos 7 a 9), salão de carteado (foto 10) e sala de videogames (fotos 11 e 12). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Atividades ao ar livre

Como em qualquer cruzeiro em uma região ensolarada como a costa brasileira, a maior parte das atividades ao ar livre acontece na área da piscina. Durante todo o dia, gincanas, apresentações de música ao vivo, aulas de dança ou aeróbica e brincadeiras garantem a animação. O Bar Marina, aberto durante o horário de funcionamento da piscina, é o ponto de maior concentração - mais uma vez, graças ao sistema "tudo incluído", que garante cerveja e refrigerantes de graça para quem quiser se refrescar. O navio é farto em áreas descobertas, tanto no deck da piscina como no imediatamente superior (o Solarium), com um bom número de espreguiçadeiras. Além da piscina principal, o espaço dispõe ainda de 3 jaccuzis.

Área da piscina (fotos 1 a 9) e Solarium (fotos 10 a 12). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Entrando em forma e cuidando da saúde e beleza

O Empress possui uma academia de ginástica e musculação muito bem localizada, com visão panorâmica para o mar, tornando a malhação bastante agradável enquanto o navio navega. A academia, localizada logo acima da Discoteca Starlight, ocupa, durante o dia, o espaço desta para aulas de aeróbica e dança (eventualmente realizadas também na piscina). Atrás dela, na parte externa, há uma parede de escalada (outra característica presente nos navios da Royal Caribbean, de onde veio o Empress para se juntar à frota da Pullmantur). Além da academia, o navio dispõe de um espaço dedicado ao bem-estar - o Spa del Mar -, com salão de beleza, salas de massagens e sauna (uma dica para as hóspedes: o navio costuma oferecer promoções diárias de massagens relaxantes e tratamentos de beleza, anunciadas no sistema de som ou no jornal de bordo, distribuído todas as noites, com a programação do próximo dia de viagem).

Academia (fotos 1 a 3), parede de escaladas (foto 4) e Spa del Mar (fotos 5 a 9). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Relaxando

Não faltam espaços para relaxar e apreciar o mar ou a paisagem de cada escala no Empress. Além do Solarium - deck panorâmico acima da piscina que já mencionamos-, os dois amplos corredores laterais com espreguiçadeiras e mesas, no deck 6, estão entre as áreas externas mais agradáveis do navio. Esta, aliás, talvez seja a opção mais "zen" para quem deseja estar ao ar livre e sentir a brisa do mar sem o agito e o barulho constante da área da piscina! Em alguns decks, junto aos elevadores, há também salas de estar com mesas e poltronas - um bom local para se reunir um pequeno grupo de amigos e "botar a conversa em dia" com um pouco mais de calma e privacidade. É essa diversidade de ambientes - desde o mais agitado ao mais reservado - que faz do Empress um navio para todos os públicos, pois o hóspede tem sempre à sua disposição um espaço afinado ao seu estado de espírito.


Acomodações

O Empress oferece nove diferentes categorias de acomodações, desde a luxuosa Royal Suite Terrazza às pequenas mas ainda confortáveis cabines internas. Em nossa viagem, ocupamos a cabine xxxx (Externa) e visitamos, ainda, cabines da categoria Externa Superior e Interna, mostradas nas fotos abaixo. Todas as cabines contam com banheiro privativo, cofre e TV de LCD e duas camas individuais conversíveis em cama de casal (parte das cabines dispõe de camas altas, permitindo três ou quadro hóspedes).

Para um cruzeiro mais longo - caso do roteiro para Buenos Aires - recomendamos ao hóspede pagar um pouco mais por uma cabine externa. Como cruzeiristas relativamente experientes (cerca de 15 viagens já realizadas), podemos afirmar que, em uma viagem com quatro noites ou mais, a presença de uma varanda ou de pelo menos uma janela com visão externa faz a diferença!

Cabines categoria Externa Superior (fotos 1 a 3), Externa (fotos 4 e 5) e Interna (foto 6). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Vida a bordo

Em nossa viagem, realizada pouco antes do carnaval de 2010, o Empress teve como comandante o português Augusto Moita - um apaixonado pelo Brasil que voltou para a atual temporada, mas desta vez à frente do navio Horizon -, e como Diretor de Cruzeiro Francisco Múrmura - que já conhecíamos de outra de nossas melhores viagens pela CVC, em 2004, a bordo do inesquecível Blue Dream. O capitão, seus oficiais e os principais gerentes do cruzeiro são apresentados na tradicional Noite do Comandante, realizada no teatro do navio.

O teatro também é palco, em todas as demais noites do cruzeiro, de musicais (com a Orquestra Sobre as Ondas e a companhia de dança Bailamares, que animam todos os navios da frota da CVC, e artistas convidados) e de shows de variedades (humor e ilusionismo). Os espetáculos são realizados em dois horários, alternados com os turnos do jantar (hóspedes que jantam no primeiro turno podem assistir ao espetáculo do segundo turno, e os que jantam no segundo turno assistem aos shows no primeiro turno). E falando em jantar, em uma das últimas noites de cruzeiro há uma grande festa no restaurante Miramar: chefs e garçons confraternizam com os passageiros, cantando e dançando e deixando saudades pela viagem que está por terminar.

Durante o dia, a animação concentra-se no deck da piscina e na discoteca Starlight (que divide espaço com a academia). Na piscina, há gincanas, apresentações de música música popular e brincadeiras. Na discoteca, aulas de dança e aeróbica em diversos horários. A criançada a partir dos 3 anos de idade também tem vez, com um espaço e uma programação de atividades inteiramente dedicada a elas: é o TibuClub, no deck 10, próximo à discoteca.

Noite do CapitãoNoite do CapitãoNoite do Capitão
O capitão Moita acompanha a atracação do navioFesta dos Chefs e GarçonsFesta dos Chefs e Garçons
Shows no teatroShows no teatroShows no teatro
Shows no teatroShows no teatroShows no teatro
Shows no teatroShows no teatroMúsica ao vivo na piscina
Humor na piscinaAtividades com as criançasAula de aeróbica na academia
Noite do Comandante (fotos 1 a 3); o Comandante Augusto Moita em ação (foto 4); festa dos chefs e garçons (fotos 5 e 6); humor (foto 7); musicais (fotos 8 e 9) show de tango (fotos 10 e 11); musicais (fotos 12 a 14); música ao vivo no deck da piscina (foto 15); brincadeiras e shows de humor na piscina (foto 16); diversão para a criançada com o TibuClub (foto 17); e aula de aérobica e dança na discoteca Starlight (foto 18). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Buenos Aires, Argentina

Fundada em 3 de fevereiro de 1536 por Pedro de Mendoza com o nome de Nuestra Señora de Buen Ayre, a capital argentina teve um início de vida conturbado, sendo arrasada pelos índios e abandonada por seus primeiros colonizadores e retomada em 11 de junho de 1580 por Juan de Garay, então rebatizada como Ciudad de la Santísima Trinidad y Puerto de Nuestra Señora del Buen Ayre. Mas a cidade só viria a alcançar importância política e econômica em 1776, quando foi nomeada capital do Vice-Reino do Rio da Prata e tornou-se o porto de entrada e saída do comércio no país. Em 1810, com a Revolução de Maio e a independência Argentina, Buenos Aires consolidou-se como a capital da nação.

Localizada na margem oriental do Rio da Prata, Buenos Aires é a segunda maior área metropolitana da América do Sul - ficando atrás apenas de São Paulo - e a terceira maior aglomeração urbana da América Latina, com mais de 13 milhões de habitantes. Entre seus principais pontos turísticos encontram-se a Plaza de Mayo (onde estão localizadas, também, a Casa Rosada - sede do governo -, e a Catedral Metropolitana -, onde está sepultado o presidente Perón), o moderno bairro de Puerto Madero, o teatro Colón, a rua Florida - onde se encontra o famoso centro comercial Galerías Pacífico -, e o bairro boêmio do Caminito (berço do Tango portenho).

Infelizmente a escala em Buenos Aires é muito curta para que se possa conhecer melhor a cidade (desembarcamos às 9h de uma manhã chuvosa, tendo que retornar ao navio antes das 17h), e a excursão vendida a bordo perdeu um tempo precioso apresentando o estádio do Boca Júniors - que, em nossa opinião, localiza-se em uma das regiões menos atraentes da cidade -, e parando por um tempo demasiado longo no bairro do Caminito (que pode ser comparado à Lapa carioca - sem grandes atrativos durante o dia) para as tradicionais compras nas lojas de souvenires para turistas. Outras regiões mais interessantes da cidade, como o bairro nobre da Recoleta e o moderno Puerto Madero, ficaram praticamente de fora, sendo apreciados muito rapidamente durante o trajeto e sem paradas para fotos. Por esse motivo, recomendamos ao turista com mais desembaraço procurar outras opções de tours pela cidade (sem descuidar do horário de retorno ao navio). Uma boa opção é o Buenos Aires Bus (http://www.buenosairesbus.com), um tour em modernos ônibus panorâmicos que seguem sistema semelhante ao do ônibus turístico de Curitiba - o turista adquire um bilhete que dá direito a um circuito completo, podendo desembarcar em cada uma das paradas em que tiver interesse, permanecendo o tempo que desejar, e embarcando no próximo ônibus para continuar o tour. O passe para adultos com direito a utilização por 24 horas custa cerca de 67 pesos (aproximadamente R$ 35), e há bilhetes promocionais para famílias.

Como já dissemos, o tempo em Buenos Aires é curto e deve ser aproveitado da melhor maneira possível. Não se preocupe em assistir a um espetáculo de tango, pois o navio oferece (ou pelo menos oferecia na temporada 2009/2010) uma apresentação do legítimo tango portenho com um grupo local, que embarca e se apresenta na noite da travessia de Buenos Aires para o Uruguai.

Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Buenos AiresBuenos AiresBuenos Aires
Chegada a Buenos Aires (fotos 1 a 6); a moderna arquitetura dos edifícios próximos ao porto (fotos 7 e 8); Museo Histórico Nacional del Cabildo y de la Revolución de Mayo (foto 9); Plaza de Mayo e Casa Rosada (fotos 10 e 11); edifícios na Plaza de Mayo (fotos 12 e 16); Catedral Metropolitana (fotos 13 a 15); Calle Florida e Galerías Pacífico (fotos 19 a 21); Embaixada do Brasil (foto 22); Bairro Caminito (fotos 23 a 27). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Punta del Este, Uruguai

O simpático balneário uruguaio - que na temporada passada (quando embarcamos) fazia parte do roteiro do Empress - foi substituído pela capital Montevidéu. A mudança deveu-se aos eventuais cancelamentos e atrasos provocados pelas condições meteorológicas, já que em Punta del Este não há cais para atracação de navios e o desembarque é feito pelos tenders (as lanchas dos navios). Mas ainda é possível visitá-lo, em uma das excursões oferecidas a bordo (Punta del Este fica a cerca de 130km da capital uruguaia). Punta del Este foi fundada em 1829 por Don Francisco Aguilar. Seu primeiro nome foi Villa Ituzaingó, passando a adotar o nome atual em 1907. A cidade tem uma população fixa de cerca de 10 mil habitantes, e na alta temporada, chega a receber até 250 mil visitantes.

Visitar a cidade, até a temporada passada (quando o navio aportava em seu litoral), para quem não gosta de cumprir roteiros e horários rígidos, era fácil e barato. A maioria das atrações está localizada nas cercanias da marina onde era feito o desembarque dos tenders, sendo possível chegar até elas a pé. Entre essas atrações, destacam-se a Avenida Gorlero - centro comercial da cidade com lojas de algumas das maiores e mais famosas grifes mundiais -, e o cassino Conrad. Na marina também é possível observar alguns simpáticos visitantes que aparecem com frequência: os leões marinhos, que costumam tomar banho de sol e se alimentar no cais.

Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este
Punta del EstePunta del EstePunta del Este

Itajaí e Balneário Camboriú, Santa Catarina

Maior porto do Estado de Santa Catarina, Itajaí descobriu e investiu em sua vocação turística, aproveitando-se da proximidade de outros destinos da região - como Blumenau e Balneário Camboriú -, recuperando seu centro histórico e construindo um cais e uma moderna estação de passageiros para navios de cruzeiros, tornando-se um importante polo receptivo de turismo. Sua fundação data de 15 de junho de 1860, mas os primeiros colonizadores - imigrantes portugueses vindos da Ilha da Madeira e dos Açores - chegaram à região quase dois séculos antes. Suas principais atrações são as praias de Cabeçudas (que concentra um grande número de mansões) e Brava (de águas claras e belíssima paisagem, atraindo praticantes de esportes radicais como o surf e o voo em parapentes) e a igreja Matriz do Santíssimo Sacramento (localizada a poucas quadras do cais).

A poucos quilômetros de Itajaí encontra-se um dos principais destinos turísticos do Estado: Balneário Camboriú, outra cidade com belas praias e um dos destinos preferidos pelos turistas argentinos que visitam o Brasil. Aos hóspedes do Empress que desejam visitar esta cidade vizinha ao porto de escala, recomendamos contratar o passeio oferecido a bordo do navios. A principal razão é o altíssimo valor cobrado pelos táxis da região, caro mesmo para os padrões do Rio de Janeiro e São Paulo. Ao desembarcarmos em Itajaí, perguntamos a vários motoristas o valor da corrida até Balneário Camboriú. O valor médio era de R$ 40, quase o dobro do que pagaríamos no Rio de Janeiro para percorrer uma distância menor ou semelhante (a corrida média entre o Píer Mauá e Copacabana custa cerca de R$ 25).

Itajaí-SCItajaí-SCItajaí-SC
Itajaí-SCItajaí-SCItajaí-SC
Itajaí-SCItajaí-SCItajaí-SC
Itajaí-SCItajaí-SCBalneário Camboriú-SC
Balneário Camboriú-SCBalneário Camboriú-SCBalneário Camboriú-SC
Chegada a Itajaí (foto 1); cais (foto 2); centro histórico (foto 3); litoral de Itajaí (fotos 4 e 5); modernos edifícios da cidade (foto 6); igreja Matriz do Santíssimo Sacramento (fotos 7 e 8); Cristo Luz, no Morro da Cruz (foto 9); e Praia Central (fotos 10 a 12). Fotos de Daniel R.Carneiro, Cruising online.

Conclusões

O Empress é, como já dissemos, o navio certo no roteiro certo. Seu porte e o glamour de seus ambientes parecem ter sido desenhados para uma viagem com destino ao Prata. Quanto às escalas, lamentamos que o navio não permaneça mais tempo na capital argentina (dois dias seria o tempo ideal) e que não ofereça saídas a partir do Rio de Janeiro. Talvez, devido à concorrência (as outras quatro cruise lines que operam na costa brasileira oferecem saídas do Rio para Buenos Aires), a CVC tenha preferido concentrar os embarques em Santos e Itajaí - privilegiando seu mercado tradicional - que é o interior de São Paulo e o Grande ABC -, e os turistas do Sul - que embarcam em grande número em Itajaí -, conquistando, lái, um mercado pouco explorado pelas demais operadoras.
Pela beleza e conforto do navio, pelos destinos visitados e pela qualidade do entretenimento e do serviço a bordo, recomendamos esta viagem a nossos leitores!

Nossa opinião

O que mais gostamos :
  • O Empress / CVC Imperatriz tem o porte ideal para uma viagem confortável e muito agradável : nem grande demais para que se formem grandes filas no embarque ou nas refeições informais, e nem pequeno demais para que seja pobre em opções de lazer. Para quem já viajou nos navios Splendour of the Seas e Vision of the Seas, da Royal Caribbean, a comparação é inevitável: o Empress se parece muito com uma versão reduzida desses navios.
  • É o navio ideal - especialmente no roteiro de Buenos Aires e Punta del Este - para casais, hóspedes acima dos 30 anos e famílias, embora os mais jovens também desfrutem de boas opções de diversão. .
  • O sistema "tudo incluído" da CVC, com água, refrigerantes, chopp, refrescos, café e grande parte dos drinks e aperitivos já incluídos no preço do cruzeiro é um diferencial significativo em relação às outras operadoras (convém lembrar que alguns drinks importados e que as refeições no restaurante oriental Wu são cobrados!). A economia nos gastos a bordo pode ser (muito bem) investida em uma cabine de categoria superior. 
  • As cabines - confortáveis, bem equipadas e aconchegantes.
  • A simpatia e o excelente atendimento a bordo (a maioria dos tripulantes fala português ou espanhol, o que facilita bastante a comunicação), fruto da parceria bem-sucedida entre a CVC e a Pullmantur.
O que não gostamos :
  • Não há nada a registrar que tenha nos desagradado no Empress. Podemos dizer que foi um dos melhores navios em que já tivemos a oportunidade de viajar, e talvez o melhor da frota Pullmantur/CVC na temporada 2009/2010 (ainda não avaliamos o Sovereig e o Bleu de France, o que esperamos fazer em breve).
Ficha técnica do Empress (CVC Imperatriz)
  • Ano de construção : 1990 (reformado em 2004 e 2008)
  • Construído pelo estaleiro Chantiers de l'Atlantic (o mesmo de onde saíram os legendários SS France / Norway e Queen Mary 2 e os navios da classe Sovereign e Vision - que incluem o Sovereign, o Splendour of the Seas e o Vision of the Seas)
  • 48.563 toneladas, 211m de comprimento e 30,70m de largura
  • 9 decks para hóspedes
  • Capacidade : de 1.600 a 2.020 hóspedes e 685 tripulantes
  • Cabines : 800 (471 externas - sendo 69 com varanda -, e 329 internas)

Um comentário:

  1. olá, faremos o mesmo roteiro agora em Janeiro/2014 e gostaria de tirar uma dúvida qto as excursões vc comprou da própria CVC como foi, vc diz que perderam um tempo enorme no estádio mas e o restante dos pontos turisticos. O ônibus para, descemos ou só da janela mesmo.

    Obrigada!

    ResponderExcluir